quinta-feira, novembro 11, 2010

O Fim?

Olá Deh. Impressionante como antes me costumavas chatear por causa de um post, e faz um post e faz um post...e eu... raramente fazia, gostava de ler e ficava feliz, claro que sim, quem é que não gostava de ter uma mulher como tu a dizer estas coisas? Mas não percebia a importância de fazer um post. Porque fazer um post é dizer coisas bonitas é dizer que te amo é dizer coisas que ás vezes não dizemos mas devíamos dizer muitas vezes. E tu andavas desesperada por algo assim, e só agora que provavelmente é tarde demais reconheço este, e todos os outros erros. Sou homem para admiti-los e quero deixa-los aqui para que toda a gente que estiver ou vai estar na minha situação aprender alguma coisa.

1. Não tomem as vossas namoradas como garantidas.
A chamada "monotonia" ou "rotina" é algo a que têm de ter atenção, e se as vossas namoradas ou namorados gostarem de vocês vão avisar-vos, estejam atentos.

2. Se têm problemas com algo que a outra pessoa esta a fazer e não querem falar porque não tão para se chatear ou para ter discussões não fiquem com as coisas por dizer.

3. Quando a vossa namorada/ado vos perguntar muitas vezes se querem sair com ela e os amigos do trabalho, façam um esforço e vão.
Não é a ficar em casa a trabalhar ou a fazer o que raio seja constantemente que as coisas vão ficar melhores, pelo contrario.

4. Deixem a vossa "zona de conforto" por elas/eles, não fiquem em casa porque têm medo de fazer figuras tristes ou ficar mal visto aos olhos das outras pessoas, mal vistos já vocês estão a ser por não irem, e não é por irem que as coisas vão piorar, pelo contrario.

5. Abdiquem de algo pela vossa miúda/miúdo, seja tempo, as aulas do kung fu pau, as jogatanas, o trabalho.
Porquê? porque o retorno é sempre positivo, mesmo que o vosso chefe ou pai ou mãe vos parta a cabeça ou que as coisas se atrasem, vale sempre a pena. ficam bem mais felizes. garantido.

6. Façam uma lista de prioridades.
Se tivesses de ir para uma ilha deserta e tivesses de levar 1 pessoa e uma coisa o que é que levavas?
Se a resposta for a Namorada/o e uma tenda, ou comida pro resto da vida, acho que é óbvio qual é a coisa que precisa mais atenção nas vossas vidas. e não é a tenda.

7. SMS e Telefonemas a dizer coisas carinhosas bem como PDA's (Public Display of Afection) é sempre bom, não se deixem apanhar no trabalho ou assim de maneira a que não consigam fazer estas coisas, se o vosso chefe ou isso berrar, digam que têm de ir cagar.

8. Não façam sempre as mesmas merdas.
Às vezes mais vale arriscar-mos a ir para uma situação de desconforto para realmente dar valor ás coisas mais importantes da vida. elas/eles.

9. Também não lhe façam as vontades todas né?
Da mesma maneira que elas/eles tem de sentir que vocês são espectaculares e super atenciosos etc. etc... também têm de sentir que há sempre a possibilidade de tudo acabar e é isso que faz as pessoas apaixonarem-se vezes e vezes e vezes e vezes sem conta.

10. Arrisquem com tudo, menos com o amor, a vida sem a pessoa que amam é sempre um balde de merda pela cabeça abaixo que não conseguem limpar durante muuuuuito tempo..

Ok, 10 devem chegar, a linguagem pode ser forte demais mas acho que assim percebem o que eu digo.

Agora com o recado dado passo para outro assunto:

Andreia.

A Andreia é uma pessoa única no mundo, amiga espectacular e uma namorada excepcional, existem inúmeras características que a definem, quase todas elas boas.

Há 5 anos atrás ela apaixonou-se por mim ainda era uma miúda, muita gira sempre a sorrir aquele sorriso que toda a gente que a conhece nunca esquece, se querem que vos diga não sei bem como é que eu consegui que ela caísse perdidamente de amor por mim.

E eu parvinho que sou caí que nem um patinho feio aos pés dum cisne, apaixonei-me por ela.

Demorei um bocado até dizer eu amo-te, e a primeira vez que o disse foi em santa cruz de noite, junto ao mar, completamente submerso no sorriso dela, apaixonado como se um raio me tivesse atingido o coração naquela altura quando ela sorriu para mim.

Nós combinámos que o nosso primeiro dia de namoro foi dia 13 de maio de 2005, curiosamente uma "santa" sexta-feira 13, sim combinámos, porque já sabíamos bem que o queríamos não houve pedidos foi uma decisão conjunta que estranho não é?

Mas nem tudo são rosas, nessa altura era um puto, tinha 19 prestes a fazer 20 mas ainda assim era um puto, o que me interessava eram os meus amigos e andar na brincadeira, jogos, música e nunca a metia em primeiro plano, longe da vista longe do coração... pensava eu.

E fiz sofrer muito a Andreia nessa altura, ela morava nos montes passava a maior parte do dia em casa a pensar em mim e eu só dava mesmo valor ao tempo em que estávamos juntos, o resto do tempo que eu passava a fazer todas essas coisas nem lhe respondia a sms e às vezes a telefonemas, gozavam comigo, olhó controle!!!

Esse tempo passou e eu tirei a carta e carro, mas o problema continuou, e com a carta e esta nova independência vieram outras coisas, começamos a estar mais tempo juntos, mas os problemas quando não estávamos juntos foram-se amontoando pelas mesmas razões.

As coisas culminaram e rebentaram, sinceramente não sei como é que ela aguentou tanto tempo, passei meses, anos a tentar reparar as coisas, adaptando-me ás necessidades do "nós"...foi um processo muito lento, mesmo muito lento, muita chatice, muito esforço e lágrimas da parte dela, muita rabugice e chatices da minha parte.

Mas eu mudei, ela ficou mais contente, as coisas corriam bem, éramos tudo o que queríamos ser um para o outro, claro que tínhamos as nossas discussões mas quem não as tem?

Fui apresentado à família toooda dela e ela à minha quase tudo de repente, era necessário, para a poder ir buscar e levar, para a nossa relação evoluir. e evoluiu, cresceu.

Fomos muito felizes, mesmo muito, acho que olhava para toda a gente ao meu redor todos os casais e não havia muitos casais que fossem como nós, o que tínhamos era muito especial e forte.

Tudo isto se deve sempre à força e vontade dela para andar, evoluir, lutar, pelos dois, e eu fazia-lhe as vontades todas, e ela as minhas.

Algo que nem toda a gente sabe é que a tal "primeira vez" dela foi comigo, e a minha foi com ela.

Ela era, é a tal. E isso foi isso que ela mostrou durante todo este tempo.

Mas houve uma altura na minha vida que para mim foi marcante, decisiva, devastadora... em 2007 a minha Mãe foi a uma ecografia de rotina e foi-lhe dito que ela estava em risco de "cair para o lado e morrer" devido a uma segregação de líquidos anormal entre o coração e os pulmões. não tinha caído em mim tudo parecia correr muita depressa, acompanhei a minha Mãe a todas as consultas, fiz de ambulância, ela estabilizou e quando finalmente tudo parecia estar a correr bem, num episódio de emergência a minha Mãe faleceu.

No dia em que isso aconteceu fui chamado ao hospital sozinho, fui o primeiro a saber..fiquei petrificado, rijo, não sei.. mas a primeira coisa que fiz após saber isto, não foi ligar à minha família nem ao meu pai, foi meter-me no carro atravessar Lisboa até Canados à casa dela em menos de nada.

Porque sabia, que se não a visse eu não ia conseguir suportar a dor, cheguei lá, frio, quase sem resposta, adormecido e ela foi a segunda pessoa a saber..

Sem ela não tinha arranjado força para dizer à minha família, para ver o meu Pai, Irmão e família devastados, para ultrapassar o velório, ouvir coisas abomináveis da minha família que pensava que estava a ser indiferente a todo este processo por não me terem visto uma lágrima a correr na cara, dormir de noite, comer, e no final arranjar força para conseguir fazer a coisa mais difícil que fiz em toda a minha vida, transportar o caixão da minha própria Mãe em ombros até à campa..

Sem ela ao meu lado 24 horas por dia nada disto teria sido possível, poucas pessoas têm esse efeito, eu diria mesmo que nenhuma.

Ela é o meu sol, o meu ar, a minha água, a minha força, o meu amor.

É claro que depois disto caí em depressão, qualquer tarefa por mínima que fosse era complicada, aprendi a erguer a cabeça e avançar graças a ela, se há alguém neste mundo a quem devo mais é a ela, porque ela esteve sempre lá sempre que era preciso.

Com a minha maneira de ser, as coisas não foram fáceis para ela, e mais uma vez a Andreia tem de fazer tudo amar-me, dar-me na cabeça e fazer-me reagir, graças a ela consegui acabar o meu curso, encontrar um emprego, ser feliz.

Passamos férias juntos, fizemos de tudo, nós resultávamos, mas ela continuava a ser tudo e ás vezes não recebia nem um obrigado em troca, em forma de és linda, maravilhosa, a melhor namorada do mundo, a verdade..

Ela é a melhor namorada do mundo e acho que depois de toda a história que debito aqui ninguém vai dizer o contrário.

Mas apesar de toda a história, chegou de mansinho uma coisinha chamada rotina, ela avisou-me, meses a tentar que eu fosse com ela e com os amigos aqui e ali que a acompanhasse a ela numa nova etapa da vida, mas eu preferia ficar sempre em casa, sempre com medo que as pessoas não gostassem de mim, que a envergonhasse, não queria sair de casa porque isso iria por-me numa situação de desconforto, e os "nãos" foram-se acumulando...

Com isto ela passou a ficar cada vez mais ocupada com trabalhos da faculdade, com ir à faculdade, com o trabalho da salsa, e o tempo escasseava, e as discussões foram surgindo, muito por culpa do pouco tempo que passávamos juntos e as saudades que iam apertando e revoltando...

O conjunto de tudo isto fez com que a Andreia em 5 anos precisasse de mim mais que nunca, para fazer tudo o que estava em falta, para que eu me conseguisse suportar a mim e a nós, para ter mais iniciativa e aproveitar todos os segundos, todas as sms todos os telefonemas, todas as saídas com amigos todo o tempo juntos.

Eu não percebi, e por estar naquela maldita rotina, não percebi o que é que se estava a passar.

Até que um dia fui ter com ela para jantar pois já estava a ficar preocupado.

A Andreia olhou para mim e só chorava e quando lhe perguntei o que é que se estava a passar ela chorava mais..

No dia 31 de Outubro de 2010 à tarde num raro dia de folga dela ao domingo falamos, tudo isto acabou ali, e para mim foi como um acidente de automóvel grave após 5 anos de condução confiante... não estava à espera daquele desfecho.

É claro que me comecei a aperceber logo das coisas e passado 24 horas...
Já me tinha levantado e estava pronto para tudo sentia-me com força para fazer tudo tudo tudo tudo, não queria deixar as coisas acabarem assim e não quero, quero-a de volta claro.

Agora passado 11 dias, muitas sms muitas tentativas de dar a volta às coisas, muitos ses muitos pensamentos maus, muitos pensamentos bons. Cresci.

Agora tenho tudo bem definido na minha vida, que estou forte, e que sei que o que sinto por ela é bem mais do que um simples amor, que sei que é mais muito mais que isso.

Depois de tudo que a fiz passar, e de tudo o que ela sofreu para estar comigo até este ponto, depois de tudo acabar... é que eu sou aquilo que sempre devia ter sido para ela.

Agora talvez seja tarde demais, talvez não, mas a verdade é que está a ser dificil, quase impossível, reconquista-la, para lhe mostrar que o lugar que ela deixou vazio já não é o mesmo de quando ela o deixou, é o melhor lugar que lhe posso dar, que alguém que ama alguém pode dar, é o lugar que ela se sente bem, é o lugar que lhe vai dar ainda mais força para continuar vida, o lugar é o lugar nos nossos corações, o que nos completa.

Alguém me disse que o que eu estamos a passar agora é a crise dos 5 anos, é a crise da monotonia ou rotina, é a crise que só acontece e só existe para toda a gente abrir os olhos e dar sempre tudo por tudo pelo amor até ao fim, não esperem pela crise dos 5 anos, façam alguma coisa agora. é o meu conselho.

Dedicado a ela, a musa, o meu anjo, a minha outra metade, o meu coração, o meu amor..

Tu mereces ser feliz todos os dias da tua vida, desculpa não te ter dado o que sempre mereceste.

Amo-te muito, sempre, mesmo quando tentas correr comigo. :)

Beijo n.s.k.e.c.s.

Até já.

4 comentários:

Gil disse...

Estou neste momento no meio de uma formação na minha empresa a tentar disfarçar as lágrimas que me correm pelo rosto

Sandytah disse...

Digo o mesmo que o Gil, é difícil não chorar ao ler isto...:S

Força para os dois*

João Luciano disse...

Man.... sem palavras... (e com lágrimas nos olhos...)
Quando soube disto, pensei que fosse mentira, foi um bocadinho de mim que ficou destruído...
Gosto tanto de vocês... =(

Força, quero-vos bem! Juntos (desculpem a sinceridade)!

Força amigos!
grande abraço/beijinho Luciano

Ricardo disse...

Atenção! Vejam como isto é importante que até eu cá estou a comentar.

Eu já me habituei a dizer "a Andreia, a namorada do meu primo David" por isso é favor fazerem as pazes porque eu sou avesso à mudança.

Pronto quer dizer, estes erros aqui referidos são legítimos, são bastante significativos mas são uma questão genética e familiar porque eu também sou um bocado desligado de tudo e tal...

Vá lá. Agarrem numa balança, ponham as coisas boas de um lado e as más do outro e vejam o que pesa mais. É assim que têm de fazer agora e para o resto da vossa vida em comum. (eu não tenho muita experiência de vida mas sei estas coisas porque leio muito).

" Senhor, dai-me coragem e força para mudar aquilo que eu posso mudar; Dai-me paciência e compreensão para aceitar aquilo que eu não posso mudar; E sabedoria para distinguir uma coisa da outra !"

Ricardo Ferreira